ARTE ROMÂNICA
Arte Românica
Pantocrator* de Sant Climent de Taüll.

*palavra de origem a que significa etimologicamente "todo-poderoso" ou "onipotente". Também possui variante com acento gráfico no segundo "a": pantocrátor. Encontra-se várias vezes no em grego. Provém de pan (tudo ou
todo) e krátos (alto, em cima e, daí, governo, poder)
.



A legislação que atualmente regula os direitos autorais no Brasil é a
lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
Audiovisual para fins pedagógicos, científicos, tem uma
redução da proteção do titular de direito em favor da sociedade que é usuária.
Sobre o :

Portal criado em 1999 com o intuito de tornar a arte mais fácil e prazerosa de se conhecer. Pretendemos atingir todos os públicos, de todas as idades, através de vídeos, ilustrações, textos e todos as midias futuras que vierem a ser acessíveis.

Pesquisamos em diversas fontes e fazemos um mix das informações, sempre verificando e comparando as mesmas para dar autenticidade ao nosso conteúdo.

Todo o conteúdo aqui encontrado é gratuito e livre para compartilhar de acordo com a especificação de cada autor e obra.

Obrigado por sua visita
Equipe Portal Darte
 
 

ARTE ROMÂNICA

 

 


 

 

 

Para os cidadãos, a catedral representava o símbolo da unidade comunal, um ponto de referência em torno do qual se concentravam as novas forças sociais e econômicas.

 


Sendo dedicada a Deus, ela pertencia a todos que tinham ajudado a construí-la: pedreiros, mestres-de-obras, pintores, escultores, ourives, entalhadores e toda sorte de artistas e artesãos anônimos que haviam colaborado na sua edificação.

 


Com o termo românico são definidas as manifestações artísticas produzidas na Europa entre os séculos XI e XII. Como o próprio nome indica, esse estilo, criado em plena Idade Média , descende do romano, embora possua características absolutamente próprias; um fenômeno semelhante observou-se, na época, em relação a diversos idiomas europeus:

 


As novas línguas (francês, italiano, espanhol, romeno e português), chamadas de românicas, partiam da mesma raiz latina, mas foram-se diferenciando e assumindo mecanismos próprios de vocabulário e de gramática.

 


Na arte romântica, a forma artística predominante é a arquitetura. A pintura, a escultura e as artes decorativas estão subordinadas à obra arquitetônica, a catedral, e tem a função de enriquecê-la e embeleza-la.

 

 



O plano típico do templo românico é a cruz latina, composta por uma nave (o eixo da cruz) e um transepto (o braço da cruz). Na parede da abside (espaço interno da cúpula), recortam-se absides menores (pequenas cúpulas chamadas absidíolas), que desembocam num corredor (deambulatório).

 




Os arcos e abóbadas, tão caros à arquitetura romana, foram adotados; como, porém, as junções entre eles e as paredes tendiam a alargar-se a empurrar para os lados os suportes que as sustentavam, a solução foi o escoramento por contrafortes. Estes quase sempre estão à vista, interna ou externamente.

 


A nave central é iluminada por janelas altas e as laterais recebem luz de janelas mais baixas.

 


O efeito mais evidente da construção românica é o "peso": paredes grossas, profusão de cúpulas, colunas e arco.

 


Mas essa arquitetura sólida não é absolutamente uniforme: o espírito românico encontra soluções sempre diferentes para cada região; e, mesmo sendo um estilo fundamentalmente europeu, não deixou de sofrer influências orientais, levadas para a Europa pelo cruzados.

 


No período românico a escultura cumpre apenas a função de preencher os espaços vazios dos elementos arquitetônicos e atenuar a sensação de opressão criada pelo "peso" do edifício.

 


Pode-se dizer, portanto, que a escultura é um complemento natural da arquitetura, adaptando-se a ela e servindo para decorar e "contar histórias".

 



Figuras humanas, monstros fantásticos, motivos geométricos e vegetais, cenas da vida de Cristo e dos santos estão presentes interna e externamente nas construções religiosas desse período.

 



Nas fachadas são comuns as representações do Apocalipse com anjos, bestas e demônios, compondo cenas que lembravam aos fiéis os perigos da tentação.

 



Os relevos, mais frequentes que as estatuas individuais, preenchem espaços ao redor dos porticos (entradas), aninham-se por sobre as pilastras, jorram das pias de água benta, adornam arcos, formam colunas, transfiguram-se em capitéis (parte superior das colunas), sempre se adaptando às linhas da escultura.

 



O românico francês, por exemplo, leva às últimas consequencias essa integracao: se a cena esculpida se desenrola num capitel, adquire as dimensões dele; se é representada numa coluna, assume sua verticalidade; se cobre um trecho de teto, ou o alto de uma porta, observa-se um grande cuidado no sentido de que as figuras não caiam no vazio.

 



A tendência é não deixar nenhum espaço sem imagem. E as imagens cumprem rigorosamente suas funções decorativa e informativa: na escultura, os fiéis encontram o patrimônio iconográfico e episódios familiares de todo bom cristão.

 


Os relevos são tratados com extrema vivacidade, expressa ora no sentido rude e vigoroso da forma, ora através do frescor o da ingenuidade do tema. Trata-se, quase sempre, de obras anônimas, pois na época o artista ainda não havia se destacado do artesão.

 


A pintura por sua vez, não chega a participar, como a arquitetura e a escultura, do efervescente clima de inovações, no período românico. Sobretudo na Itália, ela continua na penumbra das naves ou sob a luz tênue das cúpulas, evocando místicas presenças de tradição oriental (principalmente bizantina).

 



A pintura bizantina, porém, tinha certas características que acabaram limitanod o pintor românico: a cor era padronizada: as figuras, estáticas e solenes, eram quase sempre representadas de frente ou de perfil; não havia movimento e as imagens, sem profundidade, pareciam condenadas aos limites das duas dimensões.

 



Como não trabalhava observando a natureza, o artista românico não tinha um ponto de partida que lhe pudesse sugerir como tratar a cor, o movimento ou a profundidade.

 


Talvez isso explique por que o românico valoriza tanto a escultura: as dimensões espaciais dadas pela pedra facilitam a representação de um acontecimento em três dimensões, permitindo que os corpos se exprimam pelo movimento.

 



Assim, salvo raras tentativas, a pintura românica está mais bem representada pelas iluminuras, pequenos desenho coloridos que complementam um texto escrito, quase sempre de caráter religioso.

 


Na pintura românica, além da iluminura, empregavam-se praticamente duas técnicas: ou se pintava sobre a parede recoberta de uma camada de argamassa fresca, o afresco, ou sobre uma superfície de madeira.

 


Neste caso, as tábuas ficavam quase sempre atrás do altar, sendo por isso chamadas de retábulos (do latim retratabulum).

 



Texto de referência:

Conhecer 2000 publicada pela editora Nova Cultural
ano 1995.

Textos complementares:

Sites Nacionais e Internacionais relacionados ao assunto.

 


Imagens:

Figuras retiradas da Internet em sites Nacionais
e Internacionais, encontradas através
de sites de busca.

 

 



 







 

Mapa do Site www.portaldarte.com.br Home
©1999/2012 Portal D'arte. Todos os direitos reservados.